e-commerce para o consumidor final

Porque a indústria não deveria fazer e-commerce para o consumidor final

O desejo de expandir a atuação de uma empresa pode, às vezes, ter consequências ruins se não for planejado. Um exemplo disso é quando a indústria decide investir em um e-commerce para consumidor final sem ter experiência nesse nicho. Além disso, atender a esse público pode trazer conflitos de canais, problemas de logística e desperdício da estrutura já existente. Por que isso acontece?

A indústria passou anos criando uma rede de atendimento para consumidor final sem uma interação direta. Para isso, conquistou intermediários como lojistas, franqueados e distribuidores ao longo de anos. Ao ingressar no e-commerce pensando apenas ​na margem de lucro atrativa na venda a​o púbico final, você deixará de lado essa relação. Mais que isso: você criará concorrência considerada pelas suas revendas como desleal​. ​Isso pode parecer bom a curto prazo, mas não é bom destruir as pontes que construimos com nossos parceiros​.

Você poderá oferecer seus produtos a um preço mais competitivo, já que sua ​capacidade para comprar o produto mais barato é maior que a do lojista. Entretanto, você não tem estrutura para esse atendimento, nem conhecimento sobre atendimento e marketing no varejo. Insistir nisto acaba sendo contra a natureza da indústria e tornar-se varejista, com o tamanho que a indústria tem, se torna muito custoso. ​

Outra razão que pode não ser vantajosa nessa transição de público: você já investiu em uma estrutura física. Pensou em uma estrutura logística para expedir grandes volumes numéricos. É certo que a sua logística não está adaptada para enviar produtos fracionados.​ Ao mudar para o mercado do varejo, você deveria adaptar todo o seu processo para enviar uma ​unidade em vez de uma caixa com ​500​. ​Mudar estes processos logísticos pode ser muito penoso. Isso vai interferir muito no seu processo interno pois ele simplesmente não foi feito para isso.

Quando você deveria investir em um e-commerce para o consumidor final? Quando você já tiver uma loja de marca própria ou um outlet com foco em consumidor final. Somente quando você já possuir uma estrutura para o B2C é que você poderá ir adiante.

Existem plataformas que suprem as necessidades de negócios B2B2C, chamado também de e-commerce descentralizado. Você pode ler mais sobre o assunto em nosso e-book “E-commerce descentralizado para indústrias”. Esse tipo de e-commerce foi criado para atender toda a cadeia produtiva, desde o distribuidor até o consumidor final. Quando perceber que está pronto para este passo, entre em contato conosco.

Veja também!

Cristiano Chaussard

Especialista em E-commerce no Atacado, Marketing de Relacionamento e CRM pela ESPM e Gestão da Inovação pela USP, Fundador e Diretor de Expansão da Flexy Digital e Presidente ABComm/SC (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico em Santa Catarina).

3 thoughts to “Porque a indústria não deveria fazer e-commerce para o consumidor final”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.