#2 PASSO A PASSO – Módulo de Representantes

Na plataforma Flexy os representantes podem ser aliados importantes para as vendas, e por isso temos um módulo especial para eles.

Com o intuito de evitar conflito de canais com representantes, a Flexy desenvolveu o módulo de representantes, que traz os representantes para dentro da operação de e-commerce, constituindo um Omnichannel B2B, no qual, você poderá incluir o televendas, se quiser, e também e fazer vendas cruzadas, melhorando a qualidade de atendimento da sua empresa.

Para cadastrar os representantes na plataforma, o lojista deve cadastrar o representante via painel administrativo, em:

Menu > Representantes > Adicionar.

Adicionar Representante
Adicionar Representante

Nesta tela, onde serão preenchidas as informações do representante, além de definir a porcentagem da comissão, o lojista poderá definir se todas as compras de clientes do representante serão comissionadas, ou se apenas as vendas feitas pelo representante em si é que darão direito à comissão.

O administrador do site é quem define o login e a senha do representante.

Com estes dados em mãos, o representante pode acessar a vitrine da loja e se logar como um comprador.

– A conta do representante, diferente das contas de usuários comuns, permite que ele cadastre consumidores finais e faça compra no nome destes.

No painel administrativo, no menu Pedidos, é possível verificar quais pedidos foram feitos diretamente pelo consumidor final e quais pelo representante em nome do consumidor, de forma que as comissões podem ser conferidas pelo lojista.

Além disso, para acompanhar o desempenho de seus representantes e o quanto representam das vendas no e-commerce, o lojista pode acessar:

Menu > Dashboard > Representantes,

Relatórios de Representantes
Relatórios de Representantes

Desta maneira você poderá verificar o valor do faturamento destes pedidos, filtrando os resultados por período.

Painel do Representante

O representante ainda terá um painel próprio, fazendo seu login pelo site, e poderá acessar seu dashboard com suas vendas e comissões, além de poder acessar o histórico de pedidos feitos e o status de cada um, logo, o representante ganha autonomia para gerenciar suas vendas.

Painel do Representante
Painel do Representante
e-commerce faq

#2 E-commerce FAQ

Bem vindo ao E-commerce FAQ

 

#2. Quais as diferenças na tributação de um estabelecimento físico e das atividades de e-commerce?

 

Não há diferenças em relação à carga tributária para o empresário, entre uma venda realizada por um estabelecimento físico e uma venda virtual.

Na visão do governo, há diferença em relação à arrecadação do ICMS gerada pelo e-commerce no caso de vendas interestaduais (vide pergunta 9). Nesse caso, a arrecadação do ICMS recolhido é “partilhado” entre o estado de origem (estabelecimento do vendedor) e o estado de destino da mercadoria (consumidor nal). Para as empresas optantes do Simples Nacional, a cláusula nona do Convênio 93/2015, que trata dessa partilha, está suspensa temporariamente por força de decisão liminar do STF – Supremo Tribunal Federal.

Em função dessa procura de um equilíbrio entre a origem (venda) e o destino (consumo), para que cada estado participante na operação de e-commerce tenha direito a uma parcela do ICMS arrecadado, foi promulgada a Emenda Constitucional no 87, de 17 de abril de 2015

Para saber mais, fique ligado no E-commerce FAQ

Fonte: SEBRAE

B2B Online

Mercado B2B Online continua em expansão em 2016

O índice Business-to-Business online (B2BOL), que mede as transações comerciais entre empresas, deverá chegar a R$ 1,69 trilhão em 2016.

É o que apontam os dados do B2B online divulgados pela E-Consulting, boutique de estratégia e projetos, desenvolvimento e implementação de serviços profissionais em Web, TI, Telecom, Contact Center, Multicanais e Novas Mídias para 47 das 100 maiores empresas do Brasil.

De acordo com o levantamento, medido há 14 anos e realizado com 500 empresas, o crescimento esperado é de 2,42 % no período, frente ao R$ 1,65 trilhão alcançado em 2015. A expansão do índice segue tímida neste ano se comparar os resultados de 2015 com os números de 2014, que teve um aumento de 9,2%. Em 2014, o volume apresentado foi de 1,5 trilhão.

O B2BOL, B2B Online, mede a cada três meses, os volumes transacionados digitalmente entre empresas.

B2BOL Companies, no caso de portais, EDI, Plataformas B2B, ou B2BOL  E-Markets no caso de  portais proprietários, Marketplaces independentes.

O B2BOL Companies, praticado entre as trinta maiores empresas do país, que representam em torno de 77% de toda a movimentação brasileira entre companhias e suas cadeias de valor, alcançou R$ 1,37 trilhão no primeiro trimestre, contra R$ 1,34 trilhão de 2015. Os segmentos que mais representam neste nicho são Bens de Consumo Duráveis e Não Duráveis (11,1%), Governo e Agências públicas (10,6%), Atacado & Varejo (10,2%), Química e Petroquímica (9,7%) e Telecomunicações, TI e Internet, Entretenimento e Mídia (8,7%).

Já o B2BOL realizado entre e-marketplaces independentes – os chamados mercados digitais intermediários – atingiu no trimestre o volume de R$ 359 bilhões. No mesmo período do ano passado, este valor foi de R$ 351 bilhões. Nesta categoria, Consumo Duráveis e Não Duráveis (12,8%), Atacado & Varejo (7,5%), Química e Petroquímica (12,5%), Telecomunicações, TI e Internet, Entretenimento e Mídia (8,3%) e Utilities (7,6%) são os mercados que ainda continuam a despontar no levantamento.

Diferente de outros nichos da economia, que sofrem com a atual crise econômica do País, o segmento de B2B online continua em expansão, mesmo que seja tímida.

Cada vez mais empresas que vendem para outras empresas aumentam seus investimentos em plataformas de e-commerce, em integração end to end (pedidos de gestão, ERP, ferramentas financeiras, dentre outros) e multicanal. É importante também realçar o maior crescimento comparativos do B2B e-marketplaces”, explica Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting.

O presidente da ABComm/SC, Cristiano Chaussard relata que ainda é minoria o número de empresas industriais Brasileiras que operam suas vendas por meio de portais B2B e que o potencial de crescimento desta atuação é elástico. “A cultura de vendas online está crescendo significativamente desde 2012 quando os players estrangeiros adotaram a modalidade e aplicaram também no Brasil. O grande segredo deste mercado é incluir o representante e não deixar o portal de vendas B2B ser um concorrente para eles e sim um aliado no incremento do resultado do representante e consequentemente da indústria”, relata Cristiano Chaussard, especialista em tecnologia para vendas industriais.

 

Fonte: E-Consulting

e-commerce faq

#1 E-commerce FAQ

Hoje iniciaremos a serie: E-commerce FAQ, que responderá algumas das perguntas comuns sobre praticas e tributação no e-commerce, com ajuda do SEBRAE.

Você provavelmente ja teve ou têm alguma dúvida sobre alguns aspectos do e-commerce, mesmo que você seja um profissional da área há bastante tempo, sempre existem desafios no nosso dia a dia quais precisamos pesquisar para saber um pouco mais sobre o assunto.

Ao longo das próximas postagens, iremos com ajuda do SEBRAE, responder algumas questões que são feitas constantemente nas nossas conversas.

Esperamos que seja de bom proveito. 😀

Bem vindo ao E-commerce FAQ

#1 – Qual o enquadramento das atividades de e-commerce para fins tributários?

Basicamente o e-commerce pode englobar duas atividades: a de comércio varejista ou atacadista de bens (venda de produtos e bens próprios) e a prestação de serviços (incluindo as operações de marketplace, em que serviços de vários vendedores são ofertados e comercializados e recebem um valor pela intermediação dos negócios realizados nesse ambiente).

Fonte: SEBRAE

preço da plataforma de e-commerce

Preço da plataforma de e-commerce não deve ser fator decisivo. Saiba o por quê

A regra universal de que o “barato sai caro” pode ser aplicada também no comércio eletrônico. Escolher de uma plataforma de e-commerce é um dos passos mais importantes a serem tomados ao entrar neste mercado. Ela é uma espécie de cérebro do seu e-commerce. Tem capacidade de gerar e captar informações cruciais para o sucesso do negócio. É na plataforma que ocorre a venda do produto ao cliente, pois dá suporte ao site de vendas propriamente dito. Por isso, o preço da plataforma de e-commerce não deve ser o fator decisivo na aquisição, nem para cima nem para baixo. (mais…)

E-commerce Layout Responsivo

E-commerce: vantagens do layout responsivo

Muitos empresários, ao iniciarem um projeto de e-commerce, não sabem quais características são essenciais para um projeto digital bem-sucedido e quais podem ser dispensados no primeiro momento. Uma delas é a capacidade do site em se adaptar às telas de diferente tamanhos e formatos, conhecido como layout responsivo. Pode parecer dispensável, mas vou te dar três razões para não deixar isso para depois ao executar seu projeto. (mais…)