e-commerce B2C

E-commerce B2C chinês: líder de vendas no Brasil. Pode isso?

No próximo dia 11 de novembro, terça-feira, é comemorado o Dia do Solteiro, na China. Sim, não podemos ignorar este dia aqui no Brasil, principalmente, quem atua no e-commerce B2C. Vamos explicar o porquê. Nenhum site de comércio eletrônico vende tanto no Brasil quanto o AliExpress, integrante do grupo chinês Alibaba. De acordo com dados do Ibope E-commerce, a empresa é líder de vendas online no Brasil, contabilizando 11 milhões de pedidos entre julho e setembro deste ano. Para termos uma ideia, o grupo brasileiro B2W, das marcas Americanas.com e Submarino, comercializaram no mesmo período 7,2 milhões de unidades. O AliExpress atinge essa marca sem ter um só lojista brasileiro. Todos os produtos são importados da China.

O poder do e-commerce chinês será revelado, ainda mais, no Dia do Solteiro. Pela primeira vez, consumidores brasileiros terão acesso a mais de um milhão de produtos chineses, a maioria eletrônicos, com descontos que chegam a 50%. É o conhecido Festival de Compras 11.11 do Grupo Alibaba, a maior promoção de compras online do mundo, que dura exatas 24 horas. Segundo a gigante, a data foi escolhida por causa do número 1 e sua afinidade com pessoas solteiras. Antes, a promoção era restrita a chineses. No dia 12 de novembro veremos o resultado desta abertura comercial que, ao que tudo indica, será estrondoso.

Apesar de figurar bem à frente no quesito quantidade de unidades vendidas online, o ticket médio do AliExpress é de R$ 33, aproximadamente um décimo do valor de outros sites de e-commerce brasileiros. Mesmo assim, o chinês faturou R$ 330 milhões em vendas no terceiro trimestre deste ano apenas no Brasil e, se seguir nesta batida, o AliExpress deve atingir uma receita de R$ 1 bilhão em vendas em terras brasileiras em 2015. É um número relevante e que exige estudos por parte de quem investe em comércio eletrônico no Brasil.

Pensem que o Black Friday e o Cyber Monday totalizaram US$ 2,9 bilhões em vendas em 2013, segundo levantamento da comScore. Enquanto isso, no ano passado, a promoção do Grupo Alibaba levantou US$ 5,8 bilhões pelo sistema de pagamento online Alipay. É a maior corrida de compras online 24 horas do mundo. Isso sem um pesado investimento de mídia e divulgação – não chega a US$ 300 mil por mês. A informação chega aos consumidores pelo boca a boca.

A demora na entrega dos produtos (meses) parece não incomodar os consumidores brasileiros. A Alibaba garante a devolução do dinheiro caso o cliente, no Brasil, um público de 60% mulheres, não tenha recebido o produto. O AliExpress opera no modelo marketplace, uma reunião de centenas de lojistas físicos em torno de uma mesma plataforma.

A lição que podemos tirar desse fenômeno de vendas online: o lojista brasileiro é conservador e está subestimando o poder do e-commerce.

Comentar

One thought to “E-commerce B2C chinês: líder de vendas no Brasil. Pode isso?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Você também pode gostar