Estabilidade e Tempo de Carregamento: qual o peso desses dois fatores nas vendas do e-commerce?

Lentidão e queda podem gerar prejuízo.

No universo online, 1 segundo dura uma eternidade e qualquer outro obstáculo é suficiente para que o consumidor se sinta frustrado. Basta um único erro para que ele desista da compra e acesse a loja do concorrente. A lentidão e as quedas, que acontecem principalmente em períodos de pico, resultam em perdas de milhões de reais – isso tudo em poucas horas! É por esse motivo que a estabilidade e o tempo de carregamento são fatores imprescindíveis para saúde de um e-commerce.

Ainda que, ano a ano, o e-commerce apresente significativo crescimento – veja os dados atualizados aqui -, nota-se que muitas empresas ainda não estão prontas para oferecer a melhor experiência para seus clientes no canal digital, seja através de um app, um site desktop ou mobile. 

Em uma pesquisa realizada pela Sofist durante a Black Friday de 2019 no Brasil, foi identificado um conjunto de 90 lojas virtuais que, juntas, ficaram indisponíveis para seus consumidores por quase 65 horas, gerando perdas em vendas que somam mais de R$ 97,3 milhões. Em quatro dias, entre Black Friday e Cyber Monday, o varejo online brasileiro sofreu uma perda total estimada de R$132,05 milhões. 

Em relação ao tempo de carregamento, a mesma pesquisa mostrou que os 104 e-commerces monitorados demoraram em média 4,3 segundos para carregar completamente para o usuário: valor acima daquele que os usuários estão dispostos a esperar.

A verdade é que mesmo que uma pessoa aceite esperar no caixa de uma loja física por alguns minutos, por exemplo, essa mesma pessoa não esperará alguns segundos na web:

  • 53% dos usuários de smartphones abandonam um site que demora mais de 3 segundos pra carregar. (Google I/O, 2017). 
  • 75% dos usuários da internet afirmaram que eles não retornariam a um site que não carrega em até 4 segundos (Strangeloop Networks, 2014).

Teste a velocidade do seu site com a ferramenta gratuita do Google aqui.

Impacto na conversão.

Um tempo ruim de carregamento de um site é prejudicial, pois atrapalha a experiência do consumidor ao ponto de fazer com que ele desista de realizar a compra, fazendo com que as taxas de conversão diminuam significativamente.

Quando comparado a sites comerciais que carregam em 1 segundo, sites carregados em 3 segundos apresentam uma taxa de rejeição 50% maior, 22% menos visualizações de página e, o mais importante, 22% menos conversões. Esses números são ainda mais desfavoráveis ​​quando o tempo de carregamento é de 5 segundos. Quando comparados aos sites comerciais que carregam em 1 segundo, os sites carregados em 5 segundos apresentam uma taxa de rejeição 105% maior, 35% menos visualizações de página e, o mais importante, 38% menos conversões. (Strangeloop Networks, 2014)

Leia também: O que devo fazer para aumentar as taxas de conversão do meu e-commerce?

Além do usuário, quem não vê a lentidão e instabilidade com bons olhos é o próprio Google. Esse motor de buscas coloca grande ênfase na velocidade da página da web para seus rankings nos mecanismos de pesquisa.

Os sites lentos simplesmente serão extintos, derrubados pela concorrência. É somente com o investimento em tecnologia que os e-commerces atingirão performances satisfatórias. 

Prepare-se! 

Para as lojas virtuais, esses números que citamos são preocupantes: eles mostram que, apesar do aumento da importância das datas do varejo online, como a Black Friday, os e-commerces ainda subestimam sua preparação para esses eventos.

Se existe uma expectativa de crescimento das vendas, tanto em volume quanto em ticket médio, e se o investimento em marketing pretende aumentar, não vale a pena colocar em risco todo o sucesso da campanha e frustrar a experiência do consumidor, reduzindo as chances dele finalizar a compra e criar um vínculo a longo prazo com a marca. O segredo é antecipar a preparação para grandes eventos, nunca às vésperas. 

Para evitar o prejuízo financeiro que o despreparo pode causar, aproveite os meses antes da próxima data comemorativa e invista na escalabilidade e disponibilidade do seu e-commerce. Basicamente, você deverá investir na capacidade do site crescer de acordo com o número de acessos e se manter rápido e estável. Algumas plataformas e servidores têm essa quantidade de acessos limitada, por isso, certifique-se que a sua está preparada.

1. Escalabilidade 

Um sistema precisa estar preparado para receber não só a média de usuários do seu site mas também poder suportar picos de audiência, sem que a performance do seu site seja prejudicada, gerando quedas, travamentos e outros transtornos aos usuários. Essa capacidade de crescer junto com o aumento dos acessos é o que chamamos de escalabilidade.

A escalabilidade pode ser alcançada de diversas maneiras, mas a escolha de uma plataforma e servidores capazes de acompanhar esse crescimento é crucial. Em sistemas robustos, o e-commerce trabalha em um tamanho padrão até atingir x acessos simultâneos. A partir daí, ele cresce proporcionalmente, de acordo com a quantidade de visitantesque estão navegando no site. 

A Flexy trabalha com a Amazon Aurora Serverless, que aumenta (ou diminui) automaticamente a capacidade de processamento dos servidores conforme a necessidade.

Vale alertar que a grande maioria das soluções open-source do mercado não são aderentes à escalabilidade de desempenho oferecida pelas novas tecnologias de computação em nuvem. Até é possível instalar uma dessas soluções em uma nuvem como a Amazon. No entanto, no momento de pico de audiência, o processamento não fica distribuído entre os diversos servidores deste grid e acaba tirando a loja do ar.

2. Disponibilidade:  

Disponibilidade se refere a quanto tempo o seu site fica disponível para acesso, em outras palavras, “no ar”. Um e-commerce está aberto 24 horas por dia, 7 dias por semana. Se o seu cliente deseja comprar de madrugada, no domingo à noite ou no meio de um feriado, ele deve ser capaz de fazê-lo. 

Para proporcionar tudo isso, a empresa depende de uma infraestrutura de data center e um ambiente que permita a escalabilidade, flexibilidade, segurança da informação e disponibilidade com continuidade do sistema do e-commerce.

Nesses casos, não é só a hospedagem que vai suportar a carga. O software utilizado também precisa trabalhar em múltiplos servidores. Chamamos, tecnicamente, de Multi CDN. Ele nada mais é do que a capacidade que o datacenter tem para colocar a loja online para rodar em vários servidores ao mesmo tempo, para dar conta do serviço em ocasiões com muito acesso.

Em hospedagens como a oferecida pela Amazon, há uma técnica chamada de demanda elástica, uma solução para garantir a alta disponibilidade. Caso a demanda chegue a 80% da capacidade do seu site, automaticamente será contratado um espaço maior de transferência, prevenindo maiores problemas.

A Flexy Digital criou um sistema dividido em duas partes, onde a seção administrativa é compartilhada com os demais clientes, mas o front-end, o layout acessado pelos clientes finais, é separado. Dessa maneira, os clientes não concorrem com outros e garantem o maior desempenho possível, não importando a quantidade de pageviews.

A plataforma Flexy conta com a segurança, disponibilidade e escalabilidade da Amazon Web Services, um dos maiores  serviços de cloud computing do mundo. 

#

No fim das contas, o barato sai caro, como mostram os dados do artigo da ABCOMM sobre os prejuízos da Black Friday. As lojas que sofrem com falta de estabilidade e longo tempo de carregamento perdem muito em faturamento nas datas mais importantes para o comércio eletrônico. Esses dois fatores são imprescindíveis para o sucesso das vendas de um e-commerce, sendo indispensáveis para sua sobrevivência!


Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Você também pode gostar