Indústria vendendo por e-commerce: é possível?

Tecnologias maduras permitem que indústrias atuem no e-commerce B2B.

A facilidade da pesquisa via internet fez com que o consumidor ficasse mais atento e exigente na busca pelos seus fornecedores. Preços, produtos, prazos de entrega e uma infinidade de critérios para acomodar a compra estão a apenas um clique de distância. Desta forma, cativar este consumidor para efetivar uma venda não é mais um processo de simplesmente visitá-lo ou mandar um cartão de Natal, mas sim, de impactá-lo com uma apresentação consistente e competitiva com seus produtos e serviços. É por isso que até mesmo as indústrias já embarcaram no mercado promissor do comércio eletrônico. Aliás, indústria vendendo por e-commerce B2B não só é possível, como é uma realidade cada vez mais consolidada no Brasil e no mundo.

Antes de tudo, é importante mudar sua concepção sobre concorrência. Hoje, ela não é apenas a empresa na outra esquina do quarteirão, mas pode estar a milhares de quilômetros de distância de você ou mesmo do seu cliente. Porém, se o seu concorrente já percebeu a importância de estar presente online, seu possível cliente já o descobriu, pesquisou e se encantou com a possibilidade de tê-lo como fornecedor.

Esta é a realidade do e-commerce. No Brasil, transações realizadas por esse canal de vendas chegaram a R$53,2 bilhões de reais no varejo, em 2018, e R$2,04 trilhão no atacado no mesmo período, segundo dados da E-Consulting e da E-bit/Nielsen. Hoje, há tecnologias que atendem a este amadurecimento do mercado e permitem tanto empresas como indústrias ingressarem no comércio eletrônico. Mas, quando o assunto é o e-commerce B2B, as dúvidas são maiores: será que meu cliente fará mesmo pedidos pela internet?”, “a plataforma é igual a de um e-commerce B2C?”.

A verdade é que um e-commerce B2B têm características bem distintas daquele destinado ao cliente final, que você e eu já conhecemos muito bem. Eu elaborei um e-book que explica bem essa diferença – ele também ajudará você a se livrar das plataformas improvisadas disponíveis por aí. Para baixar é só clicar no link: B2B de verdade x B2B de mentira.

Plataformas desenvolvidas para o e-commerce B2B oferecem ferramentas como tabelas de preço e promoções específicas para cada perfil de cliente, diferentes formas de pagamento e cálculos de substituição tributária. Outras necessidades – como catálogos para compra imediata ou orçamentos, validação de cadastro e limitações de créditos, comissionamento de representantes, múltiplas tabelas de fretes e vendas de produtos em grades – que eram pontuadas como impedimento para que sua indústria atuasse também por e-commerce-, hoje, podem ser atendidas por plataformas completas e maduras que possibilitam a obtenção de excelentes resultados comerciais. 

Se ainda estiver na dúvida, faça um check-list de funcionalidades essenciais no artigo: A plataforma do seu e-commerce foi desenvolvida para o mercado B2B?

Vender para qualquer lugar por meio da internet só depende da capacidade de produção e logística das empresas. No e-commerce B2B, o aumento na sua capilaridade comercial terá um potencial ilimitável, o ganho para seus representantes comerciais também, que poderão vender presencialmente e virtualmente, aumentando sua carteira de clientes em números que fisicamente eram inalcançáveis. O interessante é que esse sistema que interliga toda a cadeia comercial funciona em cloud computing, hospedado com segurança em grandes servidores.

Pare e pense no e-commerce B2B como estratégia para expansão de vendas na indústria, de forma planejada e calculada, sem ferir a relação com seus parceiros comerciais. Para saber por onde começar assista ao webinar: como estruturar um e-commerce na indústria? Entre em contato com um especialista da Flexy aqui para encontrar a melhor solução para a sua empresa!

Comentar

2 thoughts to “Indústria vendendo por e-commerce: é possível?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Você também pode gostar